HPV e câncer de colo uterino

Uma das dúvidas mais comuns no consultório de ginecologia é:

“Fui diagnosticada com HPV. Vou ter câncer?”.

A resposta é: provavelmente não.

O vírus HPV é realmente o responsável pelos casos de câncer de colo uterino, sendo a infecção praticamente necessária pra que o tumor se desenvolva. No entanto, a evolução da infecção pra esse tipo de lesão é rara e bastante lenta.

O vírus HPV é classificado em dois subtipos: baixo risco (associado com lesões de baixo grau e verrugas) e alto risco (associado com lesões de alto grau e câncer). Ele é transmitido principalmente por via sexual e estima-se que 80% dos indivíduos sexualmente ativos terão contato com o vírus ao longo da vida, sendo que a infecção é transitória na maioria dos casos, ou seja, o HPV é eliminado espontaneamente sem causar grandes problemas. Apenas a infecção persistente pelo vírus HPV de alto risco é que pode evoluir pra lesões de alto grau e, menos frequentemente, para câncer cervical, sendo esta evolução lenta.

Sendo assim, o rastreamento do câncer de colo uterino é um importante método na prevenção do câncer cervical, uma vez que permite a identificação e o tratamento das lesões pré-malignas em estágios iniciais, impedindo assim a evolução para as lesões invasivas.

Existem diversos métodos disponíveis para o rastreamento do câncer do colo uterino: colpocitologia oncótica, teste de biologia molecular para identificação do vírus e, quando necessário, colposcopia.

É importante que você converse com seu médico para saber com que frequência deve fazer os exames preventivos e, caso seja identificado alguma alteração, procure um profissional especializado na área e discuta sobre as opções de tratamento e seguimento.

Com responsabilidade e sem “neura”! 😉

 

Dra. Carolina Corsini
Ginecologista e Obstetra
CRM-SP: 109680

Comments are closed